You are currently viewing Seguro de Cargas: A transportadora pode repassar esse custo para o cliente?

Seguro de Cargas: A transportadora pode repassar esse custo para o cliente?

Quando falamos da operação de uma transportadora é impensável não considerarmos o seguro de carga como uma proteção importantíssima neste segmento. Mesmo sendo de contratação obrigatória, ter uma apólice de seguro de cargas é mais do que uma simples obediência à lei, é a segurança da sustentabilidade de um negócio destinado à logística.

Mas e os custos desta proteção? Como toda empresa, uma transportadora tem o objetivo de dar lucro e, para isso, deve equilibrar seus custos e despesas com seu faturamento. Mesmo sendo uma despesa variável, o seguro de carga não deixa de ser um custo e deve integrar a estratégia de preço do transportador ao seu cliente.

É neste ponto que muitos transportadores acabam se atrapalhando e não sabendo como transferir o valor do seguro para o seu custo de frete e, não raramente, reduzindo sua margem de lucro por conta desta mal precificação.

Vamos entender, então, como fazer uma boa estratégia financeira para não sair no prejuízo na hora de proteger a carga?

Venda o seguro ao seu cliente!

Calma, não se trata aqui de virar um corretor de seguros e passar a ofertar apólices aos seus clientes, mas sim de informar ao seu cliente, agregando valor a esta informação, que você possui um seguro e as mercadorias dele estão garantidas em caso de um imprevisto como um roubo ou um acidente rodoviário.

Saber como informar ao seu cliente as coberturas que você tem na sua apólice e responder de maneira simples e clara sobre como a carga dele estará amparada em caso de sinistro é um diferencial e você deve utilizá-lo na sua negociação!

Considere que seus concorrentes podem não ter uma apólice tão completa como a sua ou mesmo não ter uma apólice de seguro! Vender esse diferencial para seu cliente pode ser um atrativo para que ele escolha os seus serviços e não os de outra transportadora.

E não pense que seu cliente não sabe nada de seguro! Muitas empresas estão contratando pessoas que possuem essa experiência e conhecimento exatamente para identificar quando um seguro é bem feito e fornecerá o amparo necessário em caso de sinistro.

Separe o custo do seguro de carga

Na hora de compor o preço é comum que as transportadoras apresentem o preço do frete em si, que compreende todos os custos inerentes àquela operação e, separadamente, é indicado como AdValorem o custo do seguro de carga.

Essa divisão deixa mais claro ao embarcador o valor que ele está desembolsando para ter sua carga protegida e segura.

Mas mesmo esse valor deve ser explicado ao segurado pois, como existem diferentes tipos de apólice, podem existir diferentes tipos de preços.

Imagine que você está em concorrência com outra transportadora que somente possui o seguro para acidentes rodoviários, ou seja, o seguro obrigatório de RCTR-C. Neste caso o Advalorem que ela irá cobrar pode ser infinitamente menor que o de uma transportadora que possui as duas apólices.

Mas não é só isso, mesmo as transportadoras que possuem as duas apólices podem ter diferentes coberturas, como é o caso da cobertura de avarias que não faz parte das coberturas básicas de uma apólice de seguro de carga e deve ser contratada adicionalmente.

Por isso o segredo é abrir o jogo com seu embarcador e informar todas as coberturas que você possui na sua apólice, assim ele irá avaliar que por uma diferença mínima no seu Advalorem, comparado ao de outra transportadora, ele terá muito mais segurança.

Conte com seu corretor de seguros

Se você está em dúvida sobre como apresentar isso ao seu cliente e que pontos são importantes salientar para que ele veja o quanto é importante contar com uma boa apólice de seguro, conte com a assessoria do seu corretor de seguros.

Lembre-se de que um corretor de seguros especializado em seguro de carga lida com este assunto rotineiramente e sabe exatamente o que apresentar ao seu embarcador para que ele se sinta seguro sobre a sua mercadoria.

Existem diversos detalhes sobre as coberturas e outros pontos da sua apólice que seu corretor está acostumado a abordar, alem disso, seu cliente irá criar ainda mais confiança no seu serviço quando observar que você está assessorado por um profissional de qualidade e que possui o conhecimento necessário para proteger não só você, mas a mercadoria que você transporta.

Os limites de repasse do custo do seguro de carga

Para evitar que o seguro se tornasse uma fonte de renda aos transportadores, foram definidos alguns limites para o repasse do seu custo ao embarcador e você deve estar ciente desses limites.

O que ocorre é que, dependendo da mercadoria ou da quantidade de concorrentes em determinada região, muitos embarcadores acabam ficando sem muitas opções de transportadoras e essa situação levou a alguns abusos no repasse do custo de seguro no passado. Algumas empresas acabavam repassando um valor muito maior do que o que realmente era pago à seguradora.

Desta forma, um acréscimo do frete era cobrado na forma de Advalorem, o que distorcia as negociações.

Sendo assim, a SUSEP, agência reguladora que supervisiona o mercado de seguros, entendeu que o repasse referente ao seguro não poderia ser maior que o do valor pago à seguradora e este limite deve ser respeitado para que haja uma boa relação entre todas as partes envolvidas.

Além do custo do seguro de cargas

Outro cuidado que se deve ter é em relação aos custos que não necessariamente são pagos à seguradora, mas estão vinculados ao seguro, como o custo de gerenciamento de risco.

Gerenciamento de risco são medidas de proteção a cargas que são necessárias para fazer valer o seguro em caso de sinistro. Algumas delas são simples e com custo reduzido, mas outras podem significar um razoável acréscimo aos custos daquele embarque específico. Vale a pena ficar atento aos custos dessas medidas para não acabar saindo no prejuízo.

Agora que você já sabe como repassar os custos de seguro para o seu cliente, conheça algumas dicas para tornar esse custo menor, acesse o nosso material exclusivo sobre isso aqui.

Deixe um comentário