You are currently viewing O impacto do preço do combustível na cadeia de distribuição

O impacto do preço do combustível na cadeia de distribuição

Neste conteúdo você verá como os reajustes nos preços do combustível impactam o transporte de cargas e quais são as medidas cabíveis para equilibrar as contas.

O transporte de cargas é extremamente para a cadeia de distribuição, mas representa um alto custo logístico. Uma parte deste valor pode ser atribuído aos altos preços do combustível. Até fevereiro de 2021, por exemplo, a gasolina e o diesel sofreram quatro reajustes, que acumularam uma alta de, respectivamente, 34,8% e 27,5%, gerando impactos em diversos setores. 

Neste cenário, é preciso colocar todos os gastos na balança e analisar quais são as melhores formas de manter o negócio funcionando sem grandes prejuízos. Continue a leitura e confira qual é a relação entre o aumento dos combustíveis e a logística, seu impacto e sugestões para tirar as contas do vermelho.

De que forma o preço dos combustíveis impacta a logística

No caso das transportadoras, as despesas são repassadas automaticamente para o preço do frete, fazendo com que o consumidor final pagua pague a conta. 

Já no caso de transportadores autônomos, eles não podem repassar os reajustes aos embarcadores. Sendo assim, eles acabam sendo mais impactado por esse aumento de custo.

Essa situação acarreta impactos econômicos negativos no geral e comprometem a capacidade de fazer investimentos no setor.

Consequências do aumento do combustível

Além de impactar na operação, toda a economia brasileira sofre com a alta dos preços e com a inflação.

Bombas de combustíveis

Esses aumentos são repassados para as bombas de combustíveis nos postos, fazendo com que a população arque com os custos. Com isso, a tendência é aumentar a inflação.

Valor do frete

No caso do valor do frete, é o preço do diesel que gera esse aumento. Sendo assim, o custo da operação do transporte é repassado aos consumidores finais.

Alta nos preços

Segundo o Relatório Executivo do Plano Nacional de Logística 2025, mais da metade de tudo o que é consumido no Brasil é entregue pelo transporte rodoviário. Sendo assim, isso impacta diretamente no valor final dos alimentos nos supermercados, principalmente, carnes e grãos.

Exportação

A exportação pode ser uma interferência negativa já que comercializar o produto brasileiro para outros países se torna menos custoso.

Leia também: Tendências para a Logística em 2021

Como reduzir os custos na operação

Em meio a este cenário, a redução dos custos se faz necessária. Para isso, faça um gerenciamento de riscos para equilibrar as contas do seu negócio.

O primeiro passo é mapear seus processos e operações. Analise e defina onde estão os gastos e crie medidas para eliminá-los.

Reduza o desperdício

Busque maneiras de utilizar ao máximo os artigos de uso interno, como material de escritório, por exemplo. Leve em consideração de que outras formas é possível reduzir custos sem, necessariamente, fazer cortes de pessoal.

Reveja seus fornecedores

Pesquise diferentes fornecedores para descobrir como o seu negócio pode reduzir os gastos de suprimentos.

Reduza os custos com o seguro

Mesmo com as mudanças no cenário econômico do Brasil as taxas do seguro obrigatório RCTR-C (seguro de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga) se mantiveram as mesmas nos últimos 10 anos. O que varia são apenas as porcentagens aplicadas nas taxas geradas pelo seguro entre as corretoras.

Com a Contraseg Corretora de Seguros, a contratação do seu seguro de cargas tem taxas reduzidas auxiliando na diminuição dos custos da sua operação. Entre em contato conosco e solicite sua cotação.

Fontes: G1.com, Jornal Jovem Pan e Guia do Estudante.

Deixe um comentário