You are currently viewing Como Transportar Cargas Secas

Como Transportar Cargas Secas

Conforme matriz do transporte do nosso país, o transporte rodoviário corresponde a 65%; o ferroviário a 15%; e o aquaviário e outros tipos de condução a 20%. Por representar a maior parte do tipo de carga disponível no mercado, surge a pergunta: como transportar cargas secas?  

Mostraremos neste post os principais tipos de cargas, falaremos sobre como transportar cargas secas e as formas de mitigar os riscos em sua operação logística, seja através da contratação de apólices de seguros com as devidas coberturas necessárias ou do treinamento de motoristas e equipe operacional para os cuidados necessários com a carga.

Tipos de carga

Os seis tipos de carga mais encontrados nas rodovias brasileiras são:

  1. Frigoríficas: perecíveis e congeladas.
  2. Cargas a Granel: granel líquido e granel sólido.
  3. Cargas Vivas.
  4. Cargas Indivisíveis e Excepcionais de grande porte.
  5. Cargas Secas.
  6. Cargas Perigosas.

Neste post, vamos focar no transporte de cargas secas, pois se trata de um dos principais tipos de transporte em nosso país.

Como transportar Cargas Secas

Nesse modal temos o maior número de transportadores especializados porque esse tipo de carga tem como particularidade ser formado por produtos manufaturados, ensacados ou embalados, como:

  • alimentos, desde que não necessitem de refrigeração ou outras condições especiais;
  • papéis;
  • madeira;
  • pisos;
  • cimento;
  • autopeças;
  • eletrodomésticos;
  • ferramentas em geral.

Salientamos que, mesmo sendo o tipo de carga mais carregada no Brasil, o transporte de cargas secas requer muitos cuidados, passando pelas fases de:

  • coleta;
  • tratamento da carga nos terminais logísticos;
  • entrega.

Tipos de veículos utilizados para o transporte 

Dependendo do tipo de carga seca, ela pode ser transportada nos seguintes tipos de veículos e/ou carrocerias (no caso de carreta):

Carreta aberta

É o tipo mais utilizado no Brasil, pois apresenta facilidade em seu carregamento, em virtude de suas grades laterais e a frota desse tipo de carroceria disponível no país.

Exemplos de pontos negativos: grandes riscos de molhadura das cargas (por exemplo, no transporte de papel). 

Carreta baú

É uma das carrocerias mais indicadas, pois tem uma melhor proteção para a carga, principalmente para cargas acondicionadas em caixas e paletes. Porém, dependendo do tipo de carga, como encanamentos, bobinas de papel e vergalhões, essa carroceria é inviável para esses tipos de mercadorias.

Esse tipo de carreta não é muito utilizado quando o assunto é como transportar cargas secas. 

Carreta Sider

Esse tipo de carroceria conta com cortinas e é indicado para o transporte de autopeças, papel, etc. Para isso, é necessário ter uma equipe operacional devidamente treinada para a amarração correta das cargas, para evitar que as mesmas deslizem. Esse tipo de carroceria é de muita utilidade no descarregamento, principalmente para paletes e bobinas,  pois a retirada das cortinas abrevia o processo de descarga, restando somente a desova das mercadorias.

Carga e descarga de mercadorias

Entre as atividades sobre como transporte de cargas, a carga e descarga são de extrema importância, pois nessa etapa temos maiores chances de avarias. Sendo assim, o treinamento da equipe operacional é vital para prevenção desse tipo de perda.

Ao realizar o carregamento de carrocerias abertas, devemos ficar atentos com as cargas, para que a amarração seja realizada, as grades laterais e traseira sejam fechadas e as lonas para proteção sejam colocadas, caso a carga tenha essa necessidade, no caso de transporte de papel, por exemplo. 

No carregamento de carroceria baú, ao efetuar o carregamento dos veículos, na consolidação da carga, deve ser observada as informações de empilhamento das cargas, contidas principalmente nas mercadorias que vêm acondicionadas em caixas. Os transportadores têm um procedimento de colocação no piso da carroceria das cargas mais pesadas, gerando lastro e colocando as cargas mais leves em cima. 

Tratando-se do carregamento em carrocerias sider, devemos prestar atenção, como em todos os tipos de carrocerias, com a amarração das cargas. Como já salientado, esse tipo de carroceria é de extrema utilidade para o mercado automotivo.

Independentemente do tipo de carroceria, devemos ficar atentos ao modo de carregamento para transportar cargas secas, para que elas saiam bem acondicionadas, amarradas e paletizadas para entrega. Isso é necessário para que, no ato do descarregamento no destino, as cargas estejam nas mesmas condições em que foram carregadas.

Outra coisa é sempre observar os pesos carregados, pois carregamentos mal realizados, com excesso de cargas em alguns dos eixos do veículo ou total de carga carregada que ultrapasse o Peso Bruto Total (PBT) gera multas para os embarcadores e transportadores. Dependendo do grau de infração, pode ocasionar a retenção do veículo até que o transportador envie outro veículo ao local da retenção para transbordo dessa carga que gerou o excesso de peso.

Uma roteirização de cargas bem realizada é vital para reduzirmos os custos com a operação de transporte, providenciando as melhores rotas e maximizando a utilização dos veículos.

Lei 13.103/2015

Conhecida como Lei do Motorista, essa lei tem como premissa regulamentar a jornada do motorista, que deve cumprir o seu tempo de trabalho e garantir seu devido descanso de 8 horas. Essa lei, além de proteger os motoristas contra o excesso da jornada de trabalho, é de grande importância ao entender como transportar cargas secas, pois quando o motorista realiza as suas viagens com maior velocidade, temos um maior risco de ocorrência de avarias com as cargas e, consequentemente, acidentes.

Os motoristas devem ser orientados sobre uma direção defensiva e segura para reduzir as chances de avarias.

Seguros

Para melhor adequação da sua apólice de seguros junto à sua operação logística, procure sempre um corretor especializado em seguros de transporte. Ele fará uma análise dos riscos envolvidos e trará uma apólice com as devidas coberturas. 

Gerenciamento de Risco

Essa etapa é fundamental para o devido cumprimento da apólice de seguros através do Plano de Gerenciamento de Riscos (PGR), vital para que, em caso de sinistro, a transportadora tenha o correto recebimento por parte da Seguradora.

Quer saber mais? Veja o passo a passo para implementação do Gerenciamento de Risco no transporte de carga!

Deixe um comentário